quinta-feira, 13 de agosto de 2015

QUAL O FUTURO DE UM POVO QUE NÃO ACREDITA NO SISTEMA JUDICIÁRIO E NÃO RESPEITA A POLÍCIA?

 
 
Ultimamente, temos percebido uma certa inversão de valores quanto aos direitos dos indivíduos, principalmente quando trata-se do ideal de justiça. Os cidadãos desiludidos com o sistema de segurança pública e judiciário brasileiro buscam solução para seus problemas de forma alternativa, criando uma justiça parestatal, que, por vezes, desafia o próprio poder de polícia do Estado.
 
Analisamos um fenômeno social que era muito comum nas sociedades mais antigas: “o fazer justiça com as próprias mãos”. As pessoas estão parando de chamara polícia para os ladrões. Elas mesmas pegam o infrator e aplicam o corretivo na base de espancamento e linchações. Se o poder judiciário não dá conta da bandidagem, o povo pune o infrator a seu modo.
 
Muita gente, aprova este procedimento popular. Independente do senso comum de justiça, o certo é que a competência jurídica para investigar um crime, prender acusar, julgar e punir seu autor cabe ao Estado. Porém, quando este é omisso ou ineficaz, acarreta o descrédito de todo o sistema.
 
Além do estar linchando um ladrão, uma onda que também vem aumentando e casos já foram registrados, a moda é enfrentar a polícia? A moda é tomar o preso das mãos dos policiais. E não interessa se o indivíduo cometeu um crime. Aparece gente de todo lado para evitar que o preso seja conduzido.

Engana-se quem acredita que este seja um acontecimento anormal. A atitude da sociedade de não reconhecer o poder policial e tentar evitar prisões tem tornado-se corriqueiro. Alguns casos principalmente em outros estados ganharam tamanho destaque devido ao desfecho trágico.
 
Há casos, onde já ocorreu apedrejamento de viaturas, agressões físicas contra os policiais e retomadas do preso pelos populares.
 
Tanto aqueles que lincham o ladrão, quanto estes que enfrentam a polícia para evitar uma prisão, acreditam estar agindo corretamente, baseado em sua concepção de justiça e direitos. Qual será o futuro deste país em que o povo não acredita no sistema judiciário e não respeita nem mesmo a polícia?
 
OBS: “CASO A POPULAÇÃO CONSIGA DETER O CRIMINOSO, A ORIENTAÇÃO É DE MANTER A PESSOA IMOBILIZADA ATÉ A CHEGADA DA POLÍCIA”. EM QUALQUER SITUAÇÃO É CHAMADA A POLÍCIA MILITAR E ELA TEM QUE DAR A RESPOSTA.
 
Com informações do Blog da Renata